Bahia: “Se for ajudar, tem que ser feito”, declara líder do Oposição na AL-BA sobre toque de recolher na Bahia


Foto: Reprodução

Líder da Oposição na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), Sandro Régis (DEM) destacou que a possível volta do toque de recolher na Bahia deve ser realizada, caso ajude a conter os números da pandemia de coronavírus no estado.  A hipótese da volta da medida foi levantada pelo governador Rui Costa (PT)  nesta terça-feira (16). “Isso não é questão partidária. Se for ajudar [a controlar a pandemia no estado], tem que ser feito. Estamos tendo muita infecção, o governador e os prefeitos têm que tomar uma decisão para conter os números [da pandemia]”, afirmou o demista.

Preocupado com o novo avanço da pandemia na Bahia, Rui Costa afirmou que não descarta determinar toque de recolher e demais medidas restritivas para conter a disseminação da covid-19, doença causada pelo coronavírus.

” […] analiso a possibilidade de, se mantiver ao longo desta semana estas mesmas taxas, nós implementarmos o toque de recolher em todo o estado da Bahia para evitar o pior […] Eu vou propor que o governo do estado, junto com as prefeituras, dê um passo atrás na limitação de funcionamento de várias atividades econômicas. Não podemos ter atividades essenciais sendo comprometidas, enquanto as pessoas se acham no direito de fazer aglomerações em festa com bebidas em um momento que 60 pessoas morrem todos os dias na Bahia e 1.400 pessoas no Brasil” afirmou o petista.

Quanto a atuação do governador no combate ao coronavírus, o deputado avaliou que o petista tem feito o necessário para buscar proteger a população do avanço da pandemia e destacou cooperação entre a gestão estadual e o Executivo da capital baiana, liderado pelo Democratas com o prefeito Bruno Reis.

“Rui Costa, o ex-prefeito ACM Neto, e o prefeito Bruno Reis tem feito o necessário para proteger a população. Não tem existido politicagem e nem partidarismo”, ressaltou.

Pandemia

De acordo com dados do boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) nesta segunda-feira (15), o estado contabilizou 63 óbitos e 1.796 novos casos (taxa de crescimento de 0,3%) de coronavírus. Desde o início da pandemia, a Bahia registrou 631.645 casos confirmados e 10.798 óbitos por covid-19.

Dados da Sesab indicam que a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para adultos está em 74% em todo estado, e os leitos de UTI pediátricos registram 61% de ocupação. A taxa de ocupação geral dos leitos (quando somados leitos de UTI e enfermaria) é de 66% na Bahia.

Nesta terça-feira (16), o secretário de Saúde de Salvador, Léo Prates (PDT), classificou o atual cenário da pandemia na capital baiana como de “alerta máximo”. O secretário destacou a alta taxa de ocupação de leitos em Salvador e o crescente número de pacientes na fila de regulação para vagas em hospitais.

“Nós regulamos no último sábado com 54 pessoas oriundas das Unidades de Pronto Atendimento (Upas) municipais e dos gripários. Ontem regulamos 48 pessoas. No auge da pandemia nós regulávamos 60 pessoas oriundas das Upas e agora estamos quase no mesmo patamar. Mesmo ontem tendo feito o maior número de regelações dos últimos tempos, nós amanhecemos hoje com 33 pessoas aguardando regulação nas Upas”, afirmou Prates.

De acordo com dados da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), dos 579 leitos de UTI adulto disponíveis na cidade para covid-19, 425 estão ocupados. Já em relação a UTI pediátrica, 18 das 27 disponíveis estão ocupados.