Coronavírus: Mandetta propõe adiar eleições municipais; Maia discorda


Foto: Reprodução

A nova rotina diante do crescimento dos casos do novo coronavírus no Brasil gerou uma discussão entre políticos e autoridades sobre um possível adiamento das eleições municipais, marcadas para em outubro deste ano. Continua depois da publicidade. ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, defendeu, neste domingo (22/3), o adiamento das eleições pelo Congresso. “Faço aqui até uma sugestão. Está na hora de o Congresso falar: ‘Adia’. Faz um mandato desses vereadores e prefeitos. (Campanha de) Eleição no meio do ano… uma tragédia, porque vai todo mundo querer fazer ação política”, argumentou o ministro durante reunião por videoconferência com prefeitos de capitais. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, voltou a falar sobre o assunto no fim da tarde, durante entrevista coletiva para divulgar o balanço de casos de coronavírus no país. Ele defende que o adiamento das eleições seja estudado, se a manutenção delas em outubro prejudicar o combate à doença.  Segundo Mandetta, é preciso “nos organizar para que não tenhamos elementos que perturbem a história dessa patologia”. “Tem prefeito pensando em eleição e oposição cobrando medidas mais duras, porque está pensando em eleições. Está na hora de a gente pensar mais nas próximas gerações do que nas próximas eleições”, criticou.

Após a manifestação de Mandetta, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Roberto Barroso, que será o próximo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), também se manifestou sobre o tema.
Apesar de afirmar que a saúde pública é o bem supremo a ser preservado no país, Barroso não declarou uma posição clara diante do assunto e buscou mais esclarecer que uma decisão desse tipo cabe mesmo ao Congresso Nacional, devendo ser feita por meio de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC). “Não cabe a mim, como futuro presidente do Tribunal Superior Eleitoral, cogitar nada diferente nesse momento”, afirmou.

Maia discorda

Na sequência, a primeira voz do Congresso a se manifestar sobre o tema foi o presidente da Câmara, Rorigo Maia (DEM-RJ). O deputado federal disse ao jornal Estado de S. Paulo discordar que o assunto deve ser debatido. “É hora de focar no enfrentamento da crise. Vamos cuidar do combate ao vírus.”