Minas: Morre Thor, o cão farejador que atuou nas buscas em Brumadinho


Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros

Decisivo na localização e de vítimas nas tragédias de Brumadinho (MG), o border collie Thor, de 5 anos, morreu devido a uma infecção generalizada relacionada a um quadro de pancreatite. De acordo com o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, ele estava recebendo tratamento veterinário desde o início dos sintomas, mas não resistiu. A morte aconteceu no último sábado, mas só agora foi tornada pública pela corporação. “O Thor nunca foi considerado como apenas um cão e, sim, como um Bombeiro Militar que verdadeiramente era”, afirmou a corporação, em nota. Além de Brumadinho, ele também atuou no resgate de vítimas do rompimento de uma barragem da Samarco, em Mariana (MG), em 2015; no desaparecimento do esportista francês no pico do Marins; e no desabamento de edificações no bairro Mantiqueira, em Belo Horizonte. De acordo coma Veja, após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, as equipes de resgate trabalharam ao lado de cães farejadores para encontrar as vítimas nos rejeitos de mineração. De acordo com os Bombeiros de Minas, “graças à atuação dele, inúmeras famílias puderam ter seus entes queridos localizados e velados”. “Thor era considerado uma referência nacional na localização de pessoas desaparecidas”, acrescenta a nota. O laudo de necropsia apontou que o motivo da morte do cão foi pela ruptura do intestino delgado na porção do duodeno, ocasionado pela presença de um corpo estranho, que resultou em hemorragia abdominal. Além da pancreatite, o cão ainda possuía um quadro de leishmaniose — doença infecciosa causada por protozoários parasitas transmitidos pela picada de alguns insetos. Em 25 de janeiro deste ano, a barragem Córrego do Feijão, da mineradora Vale, rompeu em Minas Gerais e deixou, até agora, 252 vítimas fatais. O último corpo foi encontrado no dia 19 de outubro e outras 19 pessoas seguem desaparecidas. O trabalho dos bombeiros continua na região.